22 de novembro de 2007

Sem Maria

Me convidaste para jantar,
Para que eu fizesse teu prato predileto,
Ascendesse velas,
Abrisse aquele vinho...
Sei que na verdade, o que queres é que eu te deixe me comer
Crua
Mas pra ti, só restará ser eternamente cozido
Em fogo brando
Em banho maria
Me recuso a ascender teu fogo
És sem tempero nenhum!
E banho com a Maria aqui?
Espere...
Sentado!
Eu sentar em ti?
Sem chance.

Republicado para facilitar sua vida...

24 de outubro de 2007

Beije meus botões!!

Me mantém feliz esse maldito arrepio que sinto quando leio teus beijos, e um desejo de amnésia que esqueci de onde vem e nem lembro do porque que o quis me chega e nem sei mais no que pensava senão em como será o que nem sei se quero que aconteça novamente, e tento lembrar-me quando me tornei covarde assim. Deve ter sido um dia depois daquele dia e antes daquela noite que nunca mais, porque o teu cheiro nunca mais me deixou. E quem pode dormir querendo sempre mais o que não acontece?
Mas, dizia eu que estava feliz...
Estou e a vida segue. Meio rouca, meio gripada, muito chuvosa. Doem as epífises, os trapézios, os metatarsos reclamam, as sinapses se recusam. Descobri q não mais tenho papilas e sim botões. Mundo estranho (Se te peço pra me beijar nas papilas, você enfia a língua me minha boca, mas beijar-me os botões?)...
A vida segue assim...
Com botões onde menos se espera!!
Nos esbarramos em alguma esquina?
Espero ansiosamente....

Ah, nunca esqueça: tenho botões também onde você já sabe.

11 de outubro de 2007

Gramática na Prática

Partindo de dois pontos
Encho teu corpo de reticências
Faço vírgula
Fazes exclamações em meus ouvidos
Cubro-te de onomatopéias
Vociferas interjeições enlouquecedoras
Faço pleonasmos dentro de ti
Até o ponto final

Mas, imploras por ponto e vírgula
Pasmo e inseguro interrogo-te:
- não seria hipérbole?
Maliciosamente tu me sorris
...


Parênteses – Isto não é uma metáfora.

13 de setembro de 2007

Desencantos na Floresta Encantada

Quando Chapeuzinho Vermelho passava pela floresta para levar presentes à Vovó, o Lobo a espreitava há muito tempo. Na verdade o que o Lobo queria, era descobrir os segredos da Vovozinha, que doces, que perfumes, que músicas ela gostava.
Toda aquela experiência de mulher madura deixava o Lobo maluquinho.Um dia, o Lobo foi abordado por um policial que questionava, acusava, batia. O Lobo jurava amor eterno à Vovozinha, que jamais quisera tocar na menina. Chapeuzinho soluçava, gritava, chorava copiosamente agarrada às pernas do policial.
O Lobo foi acusado, preso, condenado. Cinco anos por pedofilia.
A Vovozinha morreu um ano depois. Infarto.
O Lobo em dois anos. Complicações decorrentes do diabetes, com a vida insuportavelmente amarga.
Chapeuzinho cometeu suicídio em janeiro. Puro remorso.

Esse foi publicado em dezembro de 2006, quanto ainda nao tinha espaço para comentários. Faça sua parte: comente-o.

31 de agosto de 2007

Poeminha Tetriquinho

Chupou uma bala de jasmim
Foi ao cemitério e sonhou com flores de plástico
Acordou na cama fria
Coitada, queria tanto um corpo ao seu lado...

13 de agosto de 2007

Campos de Concentração

Enquanto isso, lá fora
Fumam a farda verde
Dos pracinhas homenageados

Impossível não concentrar
Quando a arte nos pega no contrapé
Na contradança, na contramão da desesperança

Da desgraça dessa esmola vitalícia
Desadormece a riqueza invisível
Muito bem camuflada
Preto! Cano curto. E nó de gravata.



Meu amigo Tambor que fez.

12 de julho de 2007

Porque esse nariz tão grande?

"Pus nos olhos vidros pra poder melhor te enxergar...”
Tá, Cássia Eller, muito romântica você, cantando essa música.
Eu, agora (pra sempre??), uso óculos.
Me sinto com cara de retardada.
Quando uso o computador, o teclado fica fora da área dos óculos, segundo a moça da loja “é que, como vou dizer? É assim, o teu nariz, aqui assim ó (aponta para o topo do nariz, próximo aos olhos) é, assim, um pouco, como vou dizer? Alto, aí, pra tu poder ver as teclas do computador, teria que aumentar o tamanho da lente, escolher um outro modelo, talvez, assim, maior (nessa hora lembrei do Dustin Hoffman em Tootsie, aquele filme em que ele se veste de mulher, com uns óculos imensos, bem a foto ta aí. Deu vontade de chorar)...”.
Realmente odeio meu nariz!!
Sempre odiei, mas agora mais.
Ah, eu uso aparelho, ou seja, estou o protótipo da baranga, não só de novelas mexicanas, quanto de filmes americanos e pastelões brasileiros. E ainda me sinto, repito, com cara de retardada...
Minha sorte é que fico linda de qualquer jeito( menos na TPM, mas, ái já é outra história...), e nem dei bola para a moça, comprei o que eu queria, e ajusto meu nariz ao teclado, ou os óculos ao meu nariz.
E a vida segue. Lógico que atrás desta lente bate um coração, disso sei que quase ninguém duvida.
O tempo segue implacável, deixando minha mente como o vinho, quanto mais velha melhor, e o resto... bom, o resto vocês já sabem.

3 de julho de 2007

Os Signos Atravessando a Rua

Por que o Ariano atravessou a rua?Certamente para bater boca com alguém que estava do outro lado.

Por que o Taurino atravessou a rua?Porque encasquetou com a idéia.

Por que o Geminiano atravessou a rua?Se nem ele sabe, como é que eu vou saber?

Por que o Canceriano atravessou a rua?Porque estava se sentindo só e abandonado deste lado de cá.

Por que o Leonino atravessou a rua?Para chamar a atenção, sair nos jornais, revistas, etc.

Por que o Virginiano atravessou a rua?Ele ainda não atravessou porque está medindo a largura da rua,
a velocidade dos carros, se essa experiência é válida, qual seria a
melhor hora de atravessar essa rua, etc.

Por que o Libriano atravessou a rua?
Ele nem precisou atravessar. Alguém acabou oferecendo carona para ele.

Por que o Escorpiano atravessou a rua?Porque era proibido.

Por que o Sagitariano atravessou a rua?Porque a idéia pareceu maneira e deu vontade.

Por que o Capricorniano atravessou a rua?Porque foi pechinchar nas lojas do outro lado.

Por que o Aquariano atravessou a rua?Porque isso faz parte de uma experiência que trará incontáveis avanços
tecnológicos no futuro.

Por que o Pisciano atravessou a rua?Que rua? Ih, é ...


Meu signo, o mais lindo e sensato, é virgem.
E quem é doido de atravessar a rua sem calcular
a sua largura e a velocidade dos carros???

21 de junho de 2007

Foi por Medo de Avião... V - Eu sou normal!!

Já conversei com pelo menos um psiquiatra e 3 psicólogos, expliquei que na verdade eu nao tenho medo de que o avião caia -porque afinal, se cair caiu, foi-se, babau, meu problema é que ele fica na constante ameaça de cair, e nao cai. Não, não desejo que ele caia, também não é isso. O que me estressa são as ameaças veladas que ele me faz.
E, a boa notícia: eu sou normal!!!! Isso, segundo eles, é muito comum em pacientes com fobia.
Sim, acabo sendo a paciente...
Dos males o menor

19 de maio de 2007

Ela é Gostosa?

Esta, de pé, é Carmem Miranda.
Nesta foto, na década de 30 ela
era o ápice da gostosura.

Hoje, um modelito de gosto duvidoso,
de longe lembra os que foram
usados no verão passado,
sandália combinando com o
tecido da roupa,
definitivamente, não rola.
Que penteado é esse??
Ah, o culote... Muito culote.

Mundinho estranho esse...



26 de abril de 2007

Consequências

Lambeu-me todas as vértebras,
Mordeu minha boca
Deu-me meia dúzia de orgasmos
Dia 20 de fevereiro casou-se com minha prima
Só de raiva, dei para o padre

23 de abril de 2007

Diálogos horríveis III

Baseado em faots reais. Eu juro!!!


- Ai Teresa, nao aguento mais ser crente
- Ué, Vander, o que aconteceu?
- O cara vira evengélico nao pode fazer nada. Nao pode fazer festa, nao pode beber, nao pode fumar, nao pode beijar homem na boca. Deus me livre...

10 de abril de 2007

O tempo não passa

Em Natal.
Encontrar as mesmas pessoas de sempre.
Conversar as mesmas coisas de sempre.
Rir das piadas de sempre.
7 anos depois!!!! Que delícia!!
Tem coisas que não precisam mudar, deixam o coração feliz, mata a saudade de tempos bons.
Depois a vida volta ao normal e a gente com a certeza de que era feliz. E sabia.

3 de abril de 2007

Foi por Medo de Avião... IV Até quando??

Será que eu to ficando mocinha?
Fui pra Natal no fim de semana.
Eu e o tarja preta, claro.
A volta foi boa.
Tirei até foto pra provar.
A foto não ficou lá essas coisas, eu sei,
mas foi da janelina do avião e fui eu quem tirou, ou seja.
Eu olhei pro chão! Pro chão que fica fora do avião, lógico...
E estava acordada!!
Claro, minhas opiniões a respeito dos perigos
aeronáuticos não mudaram, mas de repente, o próximo texto se chama “Foi por Receio de Avião”!
Quem sabe? Aguardem cenas dos próximos capítulos!


Sol pra que?

Se eu fosse chuva
Não ia ser chuva pouca
Nem começar como garoa
Se eu fosse chuva viria logo
Sem avisar invadiria tua janela
Molharia tua cama
Molharia tuas roupas
Se eu fosse chuva
Ia ficar te chovendo
Molhando teus cabelos
Até escorrer em tuas costas
Descer por teus seios
Mergulhar no teu umbigo
Até chegar ao meio das tuas pernas
Se eu fosse chuva
Ia te chover inteira
Lamber cada arrepio teu
Se eu fosse chuva?
Se eu fosse chuva
Tu não saberias mais viver no sol.

21 de março de 2007

19 de março de 2007

Ai meu SAC!!!!

Uma péssima forma de começar (ou terminar) um dia (uma noite, uma tarde) é ligando para um Serviço de Atendimento ao Consumidor, o SAC.
O mais irritante que era o “estarei verificando senhora” é precedido por uma gravação que se escorça para ser simpática:
- Diga qual o seu problema
Respondo conta errada
- Desculpe, não entendi
Aí eu tento, problema com conta
- Ainda não entendi, vamos tentar de outro jeito (sim, eu juro que quem fala isso é uma gravação). Diga qual o seu problema: conta errada (sim, aquele que eu tinha dito primeiro), telefone cortado, problemas técnicos, para “ajuda” diga ajuda (dãããã).
E eu digo o que? Conta errada
- Não entendi. Por favor diga, qual o seu problema
Eu tenho vontade de chorar, mas não digo isto, claro. “COONNTAA EEERRAAADAAA”
- Por problemas de comunicação esta ligação será encerrada
.
O SAC me deixou de sac cheio...

11 de fevereiro de 2007

Mais que mil palavras

Maragogi - AL/ Férias de 2004
Se ele diz...

Descobrindo o cravo

Ficou verão de repente
As flores que eu queria comer na primavera perderam as pétalas
E as formigas as carregaram para suas casas

O sol deu a cor e temperatura ideal para a pele dele
E eu esqueci completamente das flores, as formigas q façam bom proveito

Eu quero é carne mal passada
Eu quero é queimar a pele
Eu quero é perder a alma

4 de fevereiro de 2007

Uma idéia na cabeça
Um calor na pele
Uma perversão qualquer...

Lost pra caralho!!

Ok Lost, você venceu.
Tô viciada!!!!

15 de janeiro de 2007

Foi por medo de avião III... - Aeromoças são detestáveis

Porque devemos odiar as aeromoças (comissária de bordo é a mãe!)??
Fala sério!!
Pessoas que dizem de forma gentil que, "em caso de pouso na água seu assento é flutuante" - isto, quando o avião está para decolar de São Paulo para Brasília, deveria ser jogada pela janela, na altura do Rio Tietê, que é a única água que vemos no doce e amado caminho aéreo.
Detalhe importante: aviões não pousam na água. Eles caem, se espatifam, vão para o saco.
As aeromoças são realmente detestáveis.

Breve diário de bordo

Data de partida: 06/01/07
Horas de viagem: 29
Horas de sono: 13
Horas de dor nas costas, bunda, braços, cabeça e outas da idade do condor: 42
Litros de combustível: 243
Reais gastos: Vários
Data de chegada: 09/01/07
Previsão do tempo na chegada: min. º28 - max. º34
Cá estou.
Recife.